O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

 

ORAÇÃO A CABOCLOS

Oração I

Óh! Iluminada Cabocla Jurema, (Da mata, das 7 matas, caçadora, da cachoeira, do rio, flecheira).
( Dizer qual Jurema ou apenas Jurema reverenciando todas as juremas).

Me orgulho de ter em vós , a confiança de receber em meu corpo e meu espírito
sua energia.
De banhar a minha alma com o sumo de tuas folhas divinas.

Na orientação de Pai Oxosse,
cobre os caminhos dificeis por onde eu andar,
com o brilho de tuas flores mais lindas.

Na aguas da cachoeira com a licença de mamãe Oxum.
Renova-se em mim a manifestação do seu amor divino
purificando meu ser interior. (se banhar nesse instante, ou na cachoeira ou nas ervas,ou mesmo no chuveiro de sua casa mentalizando uma cachoeira).

Nesse momento,Transforme teus longos cabelos em um manto de proteção e de justiça para mim e para todos á quem amo, ( dizer nomes das pessoas por quem quer pedir).
Com a força dos ventos que cobrem as matas em noites de outono.

Abra meus caminhos e me dê a inteligência para conquistar tudo que almejo.

Atravéz de meus esforços mas com sua proteção,Estou certo de que nada me faltará.

Minha adorada cabocla Jurema.

Deixe em mim apenas uma gota de seu orvalho
natural, para que nunca eu esmoreça diante das adversidades,
e sempre possa estar aqui presente diante desse magnifico
templo que é a mata de oxosse, e o portal de mamãe oxum que são as aguas da cachoeira.

Salve minha cabocla Jurema.

Oração II

Pai misericordioso e justo,
que tens a missão de baixar sobre a terra, 
como espírito que és,

Mensageiro do grande Reino
trazendo a Luz e a Sabedoria
para os filhos que procuram a verdade,

Dai-nos a compreensão de nossas faltas
para que possamos merecer nosso bom êxito material e espiritual,
Com a permissão de Deus !

Que suas correntes de ferro e aço façam o levantamento
de tudo o que nos pertuba,
Amém
Saravá Umbanda
Saravá Oxosse
Saravá Caboclo Tupinambá

Oração III

Do sabiá, ao primeiro trinado,
Ergue-se o homem, ainda cansado,
Do sono dormido e que não descansou.
Caminha até a porta, com muito vagar,
E olhando o infinito, se põe a rezar,
A oração do caboclo (dizer o nome do caboclo)
Que a terra ensinou.
Do sol que renasce, o primeiro clarão,
Clareia o caboclo, que de pé no chão,
Vai outra batalha, sozinho enfrentar.
E assim o caboclo, na luta sem fim,
Caminha ao perfume da flor de jasmim,
Rezando a oração que a terra ensinou.

 

 
voltar
 
© 2010 Tenda de Umbanda Caboclo Tupinambá de Oxóssi