O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

 

UM ESPIRITO

 

Boa noite Pai de Santo,

Sou um espírito, não importa no momento meu nome, mas pode me chamar de desconhecido ou mesmo de espírito, não faço questão da identificação então, porém estou aqui diante de você e pode ser inusitada a minha visita. Vim por intermédio de um amigo que orientou a minha caminhada até sua casa e aqui estou.

Em primeiro lugar quero agradecer por me receber, notei um tanto quanto seu espanto com minha chegada, mas, percebi em sua aura um ar de alegria com minha aproximação, o que eu já esperava.

Bem outro dia eu estava junto de outros espíritos passeando por aí, notei algumas pessoas reunidas, um de meus amigos indicou que eles falavam de você, então paramos e ficamos ouvindo o que elas falavam, uns agradeciam muito pela sua ajuda e amizade espiritual, outros ficavam alheios e observavam as palavras. Caminhamos mais um pouco e deparamos com outras pessoas e assim sucessivamente vimos pessoas isoladas a pensar e até a balbuciar seu nome, outras reunidas em grupos e, sempre paramos curiosos como somos para ouvir o que elas diziam, tudo isso na luz do dia e da noite. Ocorre que dentre estas pessoas alguns fatos me chamaram mais a atenção; Em um dos grupos havia uma jovem falando: Olha amiga eu fui lá na casa dele, ele me atendeu como ninguém, rezou, sorriu, fez trabalhos, ascendeu velas, enfim, ficou um tempão me ajudando e ainda não me cobrou nenhum valor material ou dinheiro, nossa como ele me ajudou...mas, hoje encontrei-me com ele novamente e, me perguntou se eu fazia tudo certo como me pediu para fazer e ainda me deu um puxãozinho de orelha pelos erros que tenho cometido, então a outra lhe disse: Acho justo, pois ele tem te ajudado muito e procurado sempre te orientar conforme tens me dito. Retrucando a primeira responde: Há não assim não dá até você voltando-se contra mim? Não amiga não se voltando para você, mas, ajudando aquele que te ajuda sempre. Espantada a primeira nem notou que ao lado da amiga havia um espírito pronto a intervir para ajudá-la novamente a pedido de seu Pai orientador e, continuou a sua defesa sem convencer a si mesma: nunca mais volto lá achei que ele me salvaria com aquelas ervinhas e velinhas acesas e com suas palavras de conforto, mas, não, ele mal me viu e veio me cobrar um comportamento meu.

Veja amigo Pai, como então essa pessoa merece sua ajuda? Como tens devotado tanto por caridade, e notando estes ocorridos fiquei triste por ti. E assim eu e meus amigos espíritos notamos muitos a lhe agradecer em suas conversas, bem como muitos utilizando os mesmos meios que esta jovem utilizou-se para omitir seus próprios anseios e zelos.

Mas, meu Pai de Santo amigo deixe este ao largo de suas inteligentes mentes e daquelas mal agradecidas, não por isso vim até você, mas, para agradecer por aqueles momentos de oração e da fonte de luz que você me direcionou sem ao menos me conhecer ou meu nome a saber, sinto-me mais forte hoje graças a sua caridade e a sua dedicação para conosco vivos mortais e espíritos desencarnados.

Uma pausa requer sua atenção Pai de Santo amigo, também vi junto de meus amigos, que estiveste em repouso por alguns dias, no entanto deste repouso ainda pensaste em muitas pessoas e espíritos, ainda orastes por nós e ainda cuidaste de vossos filhos espirituais que acolhes em sua casa todos os dias, mesmo em seu descanso, pediste ao criador por nós sem ao menos exitar e esqueceste de ti por dias. Se permitir-me devo agradecer por mim e por eles, já que não o fazem e não o farão. Sei que não esperas por gratidão nem recompensas, mas, justo tenho de ser para contigo te agradecendo por este e por muitos que há de fazer, como aqui os espíritos mais velhos nos avisam de você. Nobre é a caminhada daquele que o faz com objetivo único, o de alimentar o amor ao próximo pelas graças do criador, mesmo que por estes ingratos e malfeitores em seus dias e seus momentos de loucura e tempestades espirituais que passam e sempre ali estará alguém como ti a ajudar com suas obras.

Gostaria muito de poder ver nas faces das pessoas o sorriso do agradecimento e da amizade, de poder ver o quanto às pessoas esquecem dos compromissos que assumem daquilo ao menos que se compromete a fazer. De nunca poder ver o que podem manipular com mentes desviadas de seus objetivos, sem crueldade, de amar a esta casa tão cheia de luz que você Pai e seus pequenos cuidam dia a dia, e entende-los de tudo e de todos os seus anseios e curiosidades como assim fiquei e o sou diante de você, de aprender que também você pode errar que podes dar-se ao íntimo de seu silêncio de ter no mínimo a capacidade de dizer que não errastes por outros, mas por ti mesmo e ter isto levado à destra como forma sucinta de não ocultar ou omitir a culpa, mas, o sagrado direito de ser respeitado em seu livre pensamento, seja pelo amor, seja pela dor.

Obrigado amigo Pai de Santo, por sofrer em silêncio às vezes, por cantar, pelo grande carinho, pelas suas orações, pelos bons préstimos religiosos, pelas caminhadas longas, pela sua dedicação junto dos mentores espirituais, junto das entidades espirituais e aos mais desenvolvidos, aos coroados, aos grandes Barás, aos mais simples inclusive, que com certeza plena tens e terá sempre um tempinho por nós, mesmo que isto venha a tirar-lhe um pouco mais de seu merecido descanso, de seus calos espirituais, de suas mãos dolorosas, de seu corpo combalido, de sua saúde e de sua mente exausta.

Deixe-me então dispor-me a mim e a meus amigos espíritos, para orar junto de ti e dos seus para um mundo melhor.

Deixo claro meu amigo, que não sou um espírito fofoqueiro ou zombeteiro ou mal feitor, sou espírito de luz trazendo o justo para com aquele que tanto trabalha por nós e se assim você me permitir voltarei mais vezes para trazer notícias, basta aceitar-me como eu sou se assim desejar. Pois aqui nesta terra deixei meus sofrimentos, minhas alegrias e muitas pessoas que tanto amei, deixei muitos tristes pela minha saída repentina deste mundo terreno e hoje de onde estou tenho a grata satisfação de poder ver e até mesmo sentir as quantas andam todos os que aí estão, sejam unidos e ou sós neste imenso mundo de vida, não tenho saudades deste mundo, pois aqui sou ladeado e querido de muitos amigos de luz.

De um amigo hoje oculto, de um espírito livre e cheio de luz, Obrigado Pai de Santo, por nós desencarnados e também pelos encarnados.

De um amigo de luz, em 30 Janeiro de 2012, às 02h33min.

 
voltar
 
© 2010 Tenda de Umbanda Caboclo Tupinambá de Oxóssi